Header Ads

Últimas Notícias

Investigação revela esquema de manipulação de resultados em jogos de futebol

Máfias internacionais oferecem propinas a atletas de todo brasil para favorecer apostadores

Por GloboEsporte.com



Quase 13 anos depois do escândalo que ficou conhecido como “Máfia do Apito”, o volume de apostas em jogos de futebol no Brasil, um crime previsto por lei, se multiplicou e prosperou. Os valores chegam a movimentar cerca de R$ 100 milhões, em jogos da Série A, em negociações feitas em casas de apostas virtuais onde o jogo é legalizado, principalmente Ásia e Europa. E é nesse cenário em que quantias exorbitantes são oferecidas para seduzir atletas a favorecem os resultados apostados.


- No Brasil não é permitida a exploração de jogo de azar. Qualquer pessoa que esteja explorando o jogo de azar comete contravenção penal. A manipulação de resultados é crime, está previsto no artigo 41 C, D e E, do Estatuto do Torcedor e hoje, o simples fato de você oferecer ou tentar manipular já é crime - afirma Daniela Terra, delegada de Polícia.

Em 2017, um caso foi descoberto em Barra Mansa, no Rio de Janeiro. O time que leva o nome da cidade disputava a segunda divisão do estadual e, no meio da competição, o então dirigente do clube Lincoln Aguiar reuniu oito jogadores no escritório para entregar o resultado combinado.

O time precisava perder por quatro gols de diferença, mas os jogadores não aceitaram e empataram a partida com o Audax em 1 a 1. Em defesa, o ex-dirigente atacou a Federação Carioca de Futebol, memo órgão procurado por Thiago Campbel, ex-treinador do Barra Mansa, e que hoje tem medo de sofrer retaliações.

Normalmente as máfias agem aliciando ex-atletas e árbitros, na maioria das vezes, que já atuaram em mercados emergentes e voltam a atuar no Brasil, em sua maioria jogadores de defesa. Também houve casos na Copa São Paulo de Futebol Júnior e Campeonato Paranaense sub-19 deste ano. Times como Artsul, do Rio de Janeiro, e Andraus, de Curitiba, estão sendo investigados.


A Fifa se mostra preocupada com esse esquema e anulou uma partida das Eliminatórias Africanas para a Copa da Rússia. No jogo entre Africa do Sul e Senegal o árbitro marcou um pênalti em que a bola não bateu na mão do jogador senaglês e foi banido pela entidade.

A Federação Paulista, única a manter um comitê de integridade, mantém um banco de dados que reúne em uma lista o nome de quase 400 atletas só do estado que já participaram de jogos suspeitos. Caso disputem novas partidas com indício de manipulação, a Policia Civil, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça Desportiva serão informados.

MÁFIA DO APITO

Em 2005, a “Máfia do Apito”, como ficou conhecido o escândalo de manipulação de resultados no Campeonato Braisileiro de 2005, obrigou a anulação e remarcação de 11 jogos. O árbitro Edílson Pereira de Carvalho, pivô do esquema, foi pago para favorecer um grupo de apostadores nas partidas que atuava.

Veja como funciona o esquema clandestino de apostas e compra de resultados no futebol