/> Conheça um pouco do trabalho de transporte de órgãos realizados pela FAB, para salvar vidas

Conheça um pouco do trabalho de transporte de órgãos realizados pela FAB, para salvar vidas

Foto: Sgt Johnson/CECOMSAER; Esquadrão Guará e Esquadrão Pastor
A Força Aérea Brasileira aproveitou o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos, comemorado nesta sexta-feira(27), para divulgar os números dos transportes de órgãos realizados nos nove primeiros meses do ano. Até o dia 25 de setembro, foram realizadas 117 missões de Transporte de Órgãos, Tecidos e Equipes (TOTEQ), em um total de 121 órgãos transportados, sendo: Fígado 53, Coração 44, Pulmão 8, Rins 15 e Pancrêas 1.


A FAB mantém tripulações de sobreaviso, em tempo integral em Manaus (AM), Belém (PA), Natal (RN), Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ) e Canoas (RS). O objetivo é prestar o apoio no menor intervalo possível, utilizado a aeronave que melhor atende a missão.

LEIA TAMBÉM

"Nossas tripulações estão sempre motivadas a fazer parte de um sistema que transporta esperança a diversos brasileiros. O transporte de órgãos e equipes médicas é uma das missões mais gratificantes que realizamos", diz o tenente-coronel aviador Rodrigo Goretti Piedade, comandante do Esquadrão Guará (6° ETA). A unidade aérea sediada em Brasília é uma das que realizam constantes missões de transporte de órgãos.
Foto: Sgt Johnson/CECOMSAER; Esquadrão Guará e Esquadrão Pastor
Em nota a FAB comenta que a mais recente missão ocorreu na noite de terça (24), quando uma aeronave C-97 Brasília, do Esquadrão Pastor (2º ETA), decolou de Natal com destino a Recife, onde embarcou uma equipe médica que seria responsável pela captação de um coração. A aeronave decolou da capital pernambucana pouco depois da 1h da madrugada com destino a Petrolina, no interior do estado, onde após os procedimentos médicos a aeronave regressou para Recife, onde pousaram às 5h50 para dar início a cirurgia de transplante. No dia anterior um voo da FAB partiu de Jaguaruna, no interior de Santa Catarina, com um pulmão destinado a um paciente de Porto Alegre.

COMPLEXA LOGÍSTICA

A logística de uma missão TOTEQ é considerada bastante complexa e desde o Decreto nº 9175, de 18 de outubro de 2017, permitiu o uso de aeronaves militares em sua execução, até então a maior parte dos transportes eram realizados pela aviação comercial, que de forma gratuita também realiza a operação.


Foto: Sgt Johnson/CECOMSAER; Esquadrão Guará e Esquadrão Pastor
O planejamento começa no Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), que deverá avaliar qual o melhor meio de transporte aéreo disponível, se militar ou comercial. O órgão conta com duas posições da Central Nacional de Transplantes (CNT) que atua 24 horas por dia, sendo responsável por administrar a logística que deve ser a mais rápida possível, visto que alguns órgãos o tecido possui um tempo de isquemia fria (TIF), que é o período que pode ficar sem circulação sanguínea, bastante curto.
Ao tomar conhecimento de um doar apto, os profissionais alocados no CGNA iniciam a busca pelo voo adequado mais próximo, que serve ao percurso requerido. Segundo a FAB a regra é o aproveitamento de voos da aviação comercial, mas quando o trecho não é atendido por linha aérea ou o horário é incompatível com a necessidade o Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) da FAB é acionado e providencia uma aeronave, avaliando qual esquadrão será acionado. As tripulações passam a trabalhar no planejamento do voo, verificando o qual o aeroporto mais próximo, condições do clima em rota e no destino, entre outros.
A logística completa é em geral realiza em intervalor inferiores as 4 horas, que é o limite TIF do coração, o órgão que possui o menor tempo.Da redação Toni Oliveira - Pirassununga On com FAB e Aero Magazine / Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. )

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do Pirassununga On no WhaTsApp (19) 9 8294-5155   


Postagem em destaque

Taxa de limpeza do Uber: entenda cobrança caso você suje o carro