Header Ads

Últimas Notícias

Governo suspende a venda de 32 marcas de azeite de oliva fraudado; veja a lista

Maioria das fraudes foi feita com a mistura da oliva com óleo de soja e óleos de origem desconhecida 
Azeites que seriam fabricados de forma clandestina. (Foto: Divulgação)
O Ministério da Agricultura suspendeu a comercialização de 32 marcas de azeites de oliva por terem sido adulteradas. Nesta etapa, foram identificados 59 lotes com irregularidades. 


A maior parte das fraudes foi feita com a mistura com óleo de soja e óleos de origem desconhecida. Houve redução na comparação com a ação divulgada em abril de 2018, quando a fraude envolveu 46 marcas, informa o ministério, em comunicado.
Veja a lista:
  1. Aldeia da Serra
  2. Barcelona
  3. Casa Medeiros
  4. Casalberto
  5. Conde de Torres
  6. Dom Gamiero
  7. Donana
  8. Flor de Espanha
  9. Galo de Barcelos
  10. Imperador
  11. La Valenciana
  12. Lisboa
  13. Malaguenza
  14. Olivaz
  15. Olivenza
  16. One
  17. Paschoeto
  18. Porto Real
  19. Porto Valencia
  20. Pramesa
  21. Quinta da Boa Vista
  22. Rioliva
  23. San Domingos
  24. Serra das Oliveiras
  25. Serra de Montejunto
  26. Temperatta
  27. Torezani
  28. Tradição
  29. Tradição Brasileira
  30. Três Pastores
  31. Vale do Madero
  32. Vale Fértil
Em 2019, ao todo, 38 marcas que foram retiradas de circulação. Em julho, 6 rótulos foram suspensos.
Segundo o Ministério da Agricultura, a maior parte das fraudes foi feita com a mistura com óleo de soja e óleos de origem desconhecida.

O que é um azeite fraudado?

O Ministério da Agricultura considera azeite de oliva “o produto obtido somente do fruto da oliveira, excluído todo e qualquer óleo obtido pelo uso de solvente, ou pela mistura com outros óleos, independentemente de suas proporções”.
Portante, o uso de qualquer outro produto no azeite é uma fraude.

Veja também: Poste quebrado põe em risco veículos e pedestres que passam por avenida em Pirassununga

Alertas

Os comerciantes devem verificar a procedência do azeite antes de colocarem os produtos à venda. Faz parte da responsabilidade desses estabelecimentos de venda, averiguar se não estão comprando lotes de marcas que cometeram as fraudes apuradas pelo Ministério.
“Se os supermercados adquirirem e ofertarem os produtos com irregularidades, serão penalizados”, afirmou em nota o coordenador Fiscalização de Produtos Vegetais do Ministério da Agricultura, Cid Rozo.

O que fazer se eu comprar um azeite fraudado?

Se o consumidor comprou um azeite que foi retirado de circulação pelo Ministério da Agricultura, o Procon orienta que se dirija diretamente ao estabelecimento onde fez a compra, apresentando nota fiscal e o produto sem violação e peça o reembolso.
O consumidor pode procurar o Procon da sua região ou utilizar o site: consumidor.gov.br .( Copyright © 2019, Toni Oliveira - Pirassununga ON com Agências de noticias. Todos os direitos reservados )